Blog do diretor do filme O milagre de Santa Luzia


O plano de Abertura by Bruno Garcia
- Trecho do livro Os Sertões de Euclides da Cunha 1

O velhinho na estrada

A única coisa que sempre esteve definido neste filme é o plano de abertura do filme.

Quando estive em Serrita, na época que conheci a história do Raimundo Jacó que conto no outro texto, acabei fazendo um plano de um velhinho que vinha andando pela estrada e vinha na minha direção. é um plano realmente muito bonito e acabei inclusive colocando-o no filme apesar de ter sido filmado com uma câmera muito pior do que a que utilizei no filme.

Ele vinha na minha direção e parou na minha frente com um cigarro apagado na boca.

- Trecho do livro Os Sertões de Euclides da Cunha

Tive um dialogo insólito com o tal senhor. Bem sertanejo. Poucas palavras.

Todo o seu depoimento foi com esse cigarro apagado. Sua face vincada de rugas pelo sol inclemente, era tal e qual o chão do sertão. O rosto fundo e ainda cego de um dos olhos o que o tornava ainda mais expressivo.

Nunca esqueci aquela imagem que me fazia pensar em algum filme antigo do Wim Wenders, como Paris Texas.

Quando decidimos fazer o filme eu só sabia de uma coisa. Queria aquele plano do velho com o Dominguinhos vindo pela estrada tocando Lamento Sertanejo. Viajamos quase dois dias atrás daquele lugar e eu tentando lembrar do ponto exato que tinha a configuração de subidas e descidas que eu lembrava e com o calor subindo pelo asfalto.

O local fica muito perto da divisa de Serrita com Exu.

Finalmente avistei o local e começamos a filmar.

Fizemos 3 planos. Dominguinhos viria pela estrada tocando lamento Sertanejo e tinha um ponto demarcado onde ele deveria parar. Ele tocou a mesma musica uma vez em 3, uma vez em 5 e uma vez em 7 minutos. Ou seja uma das coisas que começava a compreender sobre sua genialidade, é que ele jamais toca duas vezes a mesma música. Seu instinto criador e de improvisação recria a musica sempre.

Exu – Pernambuco

Quando íamos começar o segundo plano, surgem 4 garotos de bicicleta. Pedimos para eles esperarem e quando déssemos o ok eles entrariam em cena e passariam por tras do Dominguinhos e sumiriam no quadro.

Começamos, eles partem, de repente vaza o microfone do João Godoy que fazia a captação de áudio. Mando voltar correndo tudo pois perderiamos as bicicletas. Eles voltam e rodamos a cena. Quando sento pra assistir ao plano, observo que as bicicletas não estão presentes. A surpresa ainda estava por vir e tudo acontece de uma maneira muito mais bela do que eu jamais poderia imaginar. Pra saber assistam ao filme e todos poderão perceber a diferença da minha idéia e o que o acaso criou.

Deus dirigindo é bem mais criativo.



Estréia dia 28 de Agosto em SP, em Setembro no Brasil todo by sergioroizenblit
Cartaz do Milagre de Santa Luzia - Clica que é link!

Cartaz do Milagre de Santa Luzia - Clica que é link!

O Trailer está no ar! Aqui e Aqui!

Quando decidimos começar fazer a divulgação do filme, isso já a alguns meses atrás, o trailer pulou na minha frente, mais ou menos como Francisco Jacó, e disse:  “E aí, como vai ser?”

Boa pergunta. Como vai ser? Quem vai fazer esse trailer.  Volta o filme: A montagem do filme!

Dez anos de trabalho condensados em alguns minutos. Muitas entrevistas, muitas viagens, muitas e muitas toamadas feitas. E disso, tanta coisa teve de ficar de fora. Mas acabei por montar o filme. Agora tinha o trailer a minha frente.

Quase tão dificil quanto montar O Milagre foi remontá-lo para durar uns três minutos. Como fazer caber, ao menos no mínimo, 10 anos de trabalho em dez minutos?

Um primeira tentativa, um anti-trailer. Lento, explicativo , entre um teaser e um trailer. A idéia me pareceu boa de início, mas pouco funcionou.

Segunda tentativa: Um pouco mais de imagens, alguns trechos significativos. Uma bela imagem do Dominguinhos e váris boas tomadas do Brasil. Mas era confuso, pouco funcionaria.

Terceira tentativa: Mudando um pouco o foco preparamos uma animação com o logo da Miração, algo que passara despercebido até então ganhou vida. E ainda me faltava montar o trailer em si. Como resumir? como sintetizar? Corria os olhos pelas imagens do filme, procurando algo que servisse. Até o depoimento do Bragre Fagundes. Aquele homem enrgaçado, bigode grisalho e uma gaita que mais parece brinquedo de criança na mão, na qual ele fez o Canto Alegretense. Pronto! Achei um depoimento, um pedaço do filme que se não sintetiza todo o resto, ao menos vai servir bem para que todos entendam um pouco mais.

Claro que isso tudo não aconteceu de uma hora para outra: Foram semanas e semanas tentando arranjar, cortar e ajeitar esse trailer de maneira satisfatória. E agora tá aí, pronto no ar!

Ah: E em qualidade HD



Luciano Maia by sergioroizenblit

Luciano Maia

Revelação da gaita do Rio Grande do Sul, autodidata e filho de gaiteiro. Busca como compositor e intérprete inserir elementos contemporâneos do jazz e da música brasileira na música regional gaúcha

Eloisa Elena em O Brasil da Sanfona



Luis Carlos Borges by sergioroizenblit

Luiz Carlos

Os pais e os tios eram gaiteiros e trovadores. Filho mais novo de sete irmãos criaram o grupo Os Irmãos Borges, que durante 30 anos animou festas e bailes. Permaneceu com o grupo durante 20 anos, para depois seguir carreira solo. Em constante intercâmbio com músicos da Argentina, da Colômbia e de outros Países da América Latina, traz esta influência de maneira marcante para a sua música. Com 24 discos, já gravou na Argentina e Europa e fez turnês pelos Estados Unidos e Europa.

Eloisa Elena em O Brasil da Sanfona



Geraldo Côrrea by sergioroizenblit

Geraldo Corrêa

Começou a tocar ainda criança. Durante 8 anos viveu entre Rio e São Paulo. Tocou com Gonzaga, Jackson do Pandeiro, Dominguinhos, tendo gravado alguns discos pela Canta Galo. Lançou 14 discos e suas composições já foram gravadas por vários sanfoneiros. Começou tocando acordeão, mas há 30 anos toca fole de 8 baixos.



Genaro by sergioroizenblit

Genaro

Filho de sanfoneiro, aprendeu a tocar ainda criança.Criado no Rio de Janeiro, conheceu e tocou com grandes nomes como Orlando Silva, Dominguinhos, Oswaldinho do Acordeon, e Severo. Em apresentações em bares, na noite, tocou rock, bossa nova e MPB. Participou de shows de diversos artistas, entre os quais Zé Ramalho e Amelinha. Hoje morando em Recife, é muito requisitado em gravações como instrumentista e arranjador;



Camarão by sergioroizenblit

Camarão

Camarão é um típico representante da música do nordeste, tocando e compondo xotes, pé de serra e frevos, com um toque forte e marcante. No início de sua carreira foi integrante de regionais de rádio, onde tocou de tudo: choros, música clássica e acompanhou artistas diversos. É uma referência rítmica do acordeão nordestino